Dando asas à informação

10 criaturas (ou monstros) pré-históricas assustadoras

Quase todo mundo tem medo de aranhas, mas a boa notícia é que elas também têm medo da gente. Não podemos dizer o mesmo de criaturas que viveram muito tempo atrás, e que poderiam nos induzir sentimentos muito mais arrepiantes, como centopeias gigantes e escorpiões do mar. Confira:

1 – A. canadensis, “lula-camarão”

Anomalocaris canadensis parecia uma estranha mistura de lula e camarão. Tinha um metro de comprimento, e uma boca cheia de dentes afiados. Fósseis encontrados na China mostram que foi um artrópode enorme que viveu cerca de 500 milhões de anos atrás. Provavelmente se alimentava de crustáceos menores usando o seu conjunto bizarro e mortal de dentes. Suas mandíbulas poderosas eram usadas para capturar presas de grande porte.

2 – I. rex, “caranguejo enorme”

Com mais de 60 centímetros de comprimento, I. rex é a maior espécie de trilobita conhecida, que varria o fundo do oceano durante a Era Paleozoica quase 500 milhões de anos atrás. Ele se parecia muito com um caranguejo muito grande, com uma casca grossa blindada, vários segmentos no corpo e olhos compostos. I. rex e outros trilobitas eram bastante simples e adaptáveis, conseguindo sobreviver por cerca de 300 milhões de anos.

3 – M. permiana, “libélula gigante”

Libélulas modernas são fofinhas e só remotamente parecidas com seu ancestral enorme, M. permiana, que foi provavelmente o maior inseto que já viveu: sua envergadura podia exceder 60 centímetros e seu corpo crescia cerca de 40 centímetros. O imenso tamanho de M. permiana levou os pesquisadores a pensar que se alimentava de animais tão grandes quanto rãs e esquilos, a fim de se sustentar. As libélulas pré-históricas provavelmente foram extintas quando a atmosfera da Terra começou a perder seus altos níveis de oxigênio, milhões de anos atrás.

4 – C. giganteum, “caracol gigante”

O maior caracol da atualidade é o caracol gigante africano, que pode chegar a 18 centímetros de comprimento, e tem um diâmetro de 9 centímetros. Bastante grande para um caracol. Agora, considerem o pré-histórico C. giganteum, um dos maiores (se não o maior) caracóis que já existiram, que podia chegar a quase 60 centímetros de comprimento. Os paleontólogos acreditam que ele viveu nos oceanos que cobriam a França durante o Eoceno, 50 milhões de anos atrás.

5 – J. rhenaniae, “escorpião do mar”

Fósseis de J. rhenaniae foram descobertos na Alemanha em 2007. Sabemos agora que a criatura era um escorpião do mar verdadeiramente monstruoso, chegando a 2,4 metros de comprimento. Na verdade, apenas uma de suas pinças tinha mais do que 46 centímetros de comprimento. Um escorpião do tamanho de um crocodilo era certamente um predador a ser reconhecido, que rondou os mares até a extinção do Permiano, 250 milhões de anos atrás.

6 – P. kirktonensis, “escorpião terrestre”

P. kirktonensis era outra espécie de escorpião, desta vez vagando pela terra. Pensa-se ter atingido mais de 60 centímetros de comprimento. Ele prosperou durante o período Devoniano, cerca de 400 milhões de anos atrás, e provavelmente se alimentava de pequenos artrópodes e insetos, embora seu ferrão fosse forte o suficiente para matar certos animais.

7 – Cameroceras, “cefalópodes gigantes”

Cameroceras é um gênero de moluscos cefalópodes extintos. Restos de conchas parciais indicam que eles podiam chegar a 9 metros de comprimento. Lembravam lulas, mas tinham um corpo em forma de cone. Cameroceras eram provavelmente os maiores predadores marinhos durante a era Paleozoica, emboscando presas. Eles eram quase cegos, e vagavam os fundos dos oceanos preguiçosamente, como seu parente moderno mais próximo, os moluscos da família Nautilidae.

8 – Euphoberia, “centopeia gigante”

Euphoberia é um gênero extinto de centopeias. Esses animais eram muito parecidos com a centopeia moderna em forma e comportamento, com a distinção de ter mais de 90 centímetros de comprimento. Fósseis desses animais foram encontrados em toda a Europa e América do Norte. Os cientistas não têm certeza de sua dieta, mas, mesmo a centopeia gigante moderna, que só atinge cerca de 25 centímetros de comprimento, pode caçar pássaros, cobras e morcegos. Imagine o tipo de presa que uma versão de quase um metro podia derrubar.

9 – P. platinus, “molusco gigante”

Platyceramus é um gênero extinto de moluscos bivalves que chegavam a 3 metros de comprimento. P. platinus é um dos maiores bivalves (ostra, mexilhão) já encontrados. Em comparação com o mexilhão gigante moderno, P. platinus teria sido mais do que duas vezes e meia mais largo, e provavelmente muito mais pesado.

10 – Arthropleura, “centopeia ainda mais gigante”

Arthropleura é um gênero extinto dos artrópodes, antepassado de lacraias e centopeias. Podia chegar a mais de 2,4 metros de comprimento, com os maiores tendo vários metros em largura. Ele era tão grande que, apesar de ser um invertebrado (o maior conhecido), provavelmente tinha muito poucos predadores. Essas criaturas viveram do período Carbonífero ao início do Permiano no que é hoje a América do Norte e a Escócia, cerca de 300 milhões de anos atrás. Estranhamente, apesar de sua forma monstruosa, eram totalmente herbívoros (como mostrado pelos restos fossilizados de seu estômago). [Listverse]

Um comentário

  1. quanta descoberta interessante….

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *