Dando asas à informação

10 descobertas espaciais recentes

A melhora constante da tecnologia pode fazer seu celular e sua TV se tornarem obsoletos de forma muito rápida, mas também nos ajudam a progredir e conhecer cada vez o universo que habitamos. Conheça algumas das mais recentes descobertas feitas no ou sobre o espaço:

1 – Nova lua de Plutão

Plutão agora tem quatro luas conhecidas. Caronte foi descoberta em 1978, e é a maior das luas de Plutão. Por ter 1.042 quilômetros de diâmetro, muitas pessoas acreditam que ela e Plutão sejam um sistema de “planeta anão duplo”. Em 2005, o Telescópio Espacial Hubble descobriu Nix e Hydra, ambas na gama de 32 a 112 quilômetros de diâmetro. A descoberta mais surpreendente sobre as luas de Plutão veio em 2011, quando Hubble fotografou a quarta delas, chamada temporariamente de P4, com 12 a 33 quilômetros de diâmetro, orbitando a quase 5 bilhões de quilômetros de distância de nós.

2 – Bolhas magnéticas gigantes

As duas sondas da NASA, Voyager 1 e 2, descobriram bolhas magnéticas na região do sistema solar conhecida como heliosfera, a 15 bilhões de quilômetros de distância da Terra. Na década de 1950, os cientistas acreditavam que essa região do espaço era relativamente “tranquila”. Mas em 2007 e 2008, quando a Voyager 1 e a Voyager 2 chegaram lá, respectivamente, uma turbulência gerada pelo campo magnético do sol que cria bolhas magnéticas de até 160 milhões de quilômetros de largura foi encontrada.

3 – Cauda estelar

Em 2007, o Galaxy Evolution Explorer, ou GALEX, descobriu Mira A, uma estrela gigante vermelha antiga, enquanto fazia uma varredura de todo o céu em luz ultravioleta. Os astrônomos ficaram chocados ao encontrar uma cauda, parecida com a de um cometa, de 13 anos-luz de comprimento, arrastando atrás de Mira A. A estrela “corre” pelo universo invulgarmente rápido, a cerca de 468 mil quilômetros por hora. Até essa descoberta, pensava-se que as estrelas não poderiam ter caudas.

4 – Água na lua

Em 9 de outubro de 2009, o satélite de monitoramento da lua da NASA (LCROSS) pareceu atingir água em uma cratera no lado escuro do polo sul da lua. Após um ano de análise de dados, a NASA confirmou que a missão encontrou água congelada no chão da cratera. Dados posteriores de três diferentes naves espaciais indicaram uma fina película de água na superfície do solo lunar em algumas áreas.

5 – Eris

Em janeiro de 2005, Eris foi descoberto, o que provocou um debate entre os cientistas sobre a definição de planeta. Eris foi inicialmente considerado como o 10º planeta do nosso sistema solar, porém, mais tarde, ele e outros objetos estelares receberam o título de planeta anão, uma nova classe. Eris está um pouco além da órbita de Plutão, e tem aproximadamente o mesmo tamanho que o mais conhecido planeta rebaixado. Eris tem uma lua conhecida, chamada Dysnomia, e juntos, eles são os objetos naturais mais distantes conhecidos do nosso sistema solar.

6 – Fluxos de água em Marte

Em 2011, a NASA divulgou fotos consideradas evidências de “água corrente” em Marte. As imagens pareciam mostrar líquido escorrendo na paisagem rochosa do planeta, formando padrões longos e escuros de fluxos.
Os cientistas acreditam que os fluxos são de água salgada, que aquece o suficiente durante os meses de verão do planeta para derreter e escorrer na superfície. Sinais que Marte já teve água fluente já tinham sido vistos antes, mas esta foi a primeira vez que as marcas foram observadas mudando ao longo de um período curto de tempo.

7 – Enceladus e vida alienígena

Em julho de 2004, a sonda Cassini, da NASA, começou a orbitar Saturno. Por causa das missões anteriores feitas pela Voyager, a Enceladus (ou Encélado), a maior lua de Saturno, foi considerada prioridade da missão Cassini. Depois de vários sobrevoos em 2005, a NASA descobriu vapor de água e hidrocarbonetos complexos na região polar sul geologicamente ativa da lua. Em maio de 2011, os cientistas disseram que Enceladus estava “emergindo como o local mais habitável para a vida como a conhecemos, além da Terra, no sistema solar”.

8 – Fluxo Escuro

Descoberto em 2008, é mais um mistério do que uma resposta: manchas de matéria parecem estar se movendo a velocidades muito elevadas em direção uniforme, o que não pode ser explicado por qualquer das forças gravitacionais conhecidas do universo observável. Os astrônomos estão chamando o fenômeno de “fluxo escuro”.

Ao observar aglomerados de galáxias grandes, cientistas encontraram mais de 700 aglomerados de galáxias que se deslocam a uma velocidade peculiar para uma parte distante do universo. Alguns cientistas chegaram a dizer que o fluxo escuro pode ser causado por outro universo pressionando o nosso, enquanto outros criticam a descoberta, dizendo que não há fluxo escuro.

9 – Exoplanetas

Os primeiros planetas extrassolares (que ficam fora do nosso sistema solar), também chamados de exoplanetas, foram descobertos em 1992. A descoberta incluiu vários pequenos planetas orbitando um pulsar. Somente em 1995 o próximo foi descoberto, um planeta gigante com órbita de quatro dias em torno da estrela 51 Pegasi.

Em maio de 2012, um total de 770 exoplanetas confirmados figuravam na lista de planetas extrassolares. Essa contagem inclui 614 planetas em sistemas planetários e 104 planetas dentro de múltiplos sistemas planetários. Em fevereiro de 2012, a missão Kepler da NASA identificou 2.321 candidatos a planetas não confirmados, associados com 1.790 estrelas hospedeiras.

10 – “Planeta habitável”

Em dezembro de 2011, a NASA confirmou a descoberta do primeiro planeta encontrado na zona habitável de sua estrela (o que significa que ele está em uma distância boa de seu “sol” para que haja vida nele). O planeta foi nomeado Kepler 22b, tem cerca de 2,5 vezes o raio da Terra e orbita confortavelmente a zona habitável de sua estrela. Os cientistas não têm certeza da composição do planeta, mas ele é considerado uma promessa para uma “segunda Terra”.[Listverse]

Um comentário

  1. A agua liquida é possível graças a ação gravitacional e magnetismo dos gigantes gasosos. A mesma coisa acontece com Europa. O cabo de guerra dessas forças fornece a fricção e calor necessários. Zona habitável? É relativo! =)

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *