Dando asas à informação

10 grandes desastres não naturais

Nem todo desastre é natural – a mãe natureza realmente se enfurece às vezes, mas muito do prejuízo que nos é causado, é causado por nós mesmos.

Confira uma lista com 10 dos piores desastres não naturais da história. Foi deixado de fora da lista tragédias que são resultado direto de atos de guerra (há apenas um indireto), que poderiam formar por si só outra lista. Além disso, o conteúdo foi variado para não cansar. Confira:

1 – Desastre do aeroporto de Tenerife

O acidente mais mortífero na história da aviação aconteceu em 27 de março de 1977, como resultado da explosão de uma bomba no aeroporto das Canárias. Vários aviões foram desviados para o aeroporto de Tenerife, pouco usado, incluindo o voo KLM 4805 e o voo Pan Am 1736, ambos aviões Boeing 747.

Este aumento de voos não programados na atividade aérea significava que muitos aviões foram obrigados a estacionar na pista de taxiamento, causando bloqueios. Esta situação poderia ter sido viável, no entanto, um denso nevoeiro se formou sobre o aeroporto, reduzindo a visibilidade.

Os dois aviões acima mencionados taxiavam na pista para posicionar-se para a decolagem, e a densa neblina significa que nem os aviões, nem a torre de controle eram visíveis. A torre de controle avisou o voo da KLM sobre a rota da aeronave e deu instruções sobre o que fazer depois da decolagem, no entanto, isso não foi uma autorização específica para a descolagem. A resposta do copiloto foi “Estamos agora em decolagem”, e a torre de controle respondeu “Ok”.

Parece que a tripulação de voo quis dizer que eles estavam realmente começando sua decolagem, enquanto o controlador entendeu que eles estavam em posição de decolagem, aguardando a autorização final. Ele acrescentou: “Espere para decolar, vou avisá-lo”. O voo Pan Am transmitiu uma mensagem simultânea afirmando que eles não haviam saído da pista, mas interferência mútua fez com que as mensagens não fossem transmitidas.

Conforme o voo da KLM aumentou a velocidade para a decolagem, os aviões se viram e o capitão da Pan Am acelerou ao máximo tentando desviar bruscamente para a quarta saída. O capitão da KLM tentou uma subida íngreme, raspando a cauda do avião ao longo da pista. Ele deixou o chão, mas sua parte inferior atingiu a fuselagem superior do avião da Pam Am, rasgando-a. O avião da KLM parou no ar e iniciou uma descida brusca.
A colisão deixou um total de 583 mortos, incluindo todos os 248 a bordo do voo da KLM e 335 dos 396 passageiros e tripulantes do voo Pan Am.

2 – Explosão em mina chinesa

Localizada em Liaoning, na China, a mina de carvão e ferro Benxihu não era um bom lugar para se trabalhar.
Durante a Segunda Guerra Mundial, forças japonesas invadiram Liaoning e assumiram o controle da mina, obrigando os mineiros a trabalhar em condições deploráveis: os trabalhadores eram regularmente espancados, a comida era escassa e doenças como tifoide e cólera floresciam.

Em 26 de abril de 1942, uma acumulação de gás causou uma explosão em um dos eixos da mina, resultando em chamas. Os guardas japoneses fizeram quarentena no local, impedindo amigos e familiares de ajudar, construindo cercas elétricas ao redor do perímetro. Ao longo dos próximos 10 dias, trabalhadores limparam a mina e jogaram os cadáveres em valas comuns.

Muitos trabalhadores estavam irreconhecíveis de queimaduras sofridas durante a explosão, mas a maioria morreu de envenenamento por monóxido de carbono causada pelo isolamento da ventilação após a explosão inicial. Os japoneses se mantiveram calados a respeito do acidente, relatando o número de mortos em 34.
Mais tarde, relatórios, incluindo um realizado pela União Soviética, informaram que o número de mortos foi de cerca de 1.549, incluindo 31 japoneses, um terço da força de trabalho total.

3 – Explosão de Halifax

A maior explosão acidental do mundo causada por humanos ocorreu em 6 de dezembro de 1917, no porto de Halifax, na província de Nova Escócia. Conforme o navio norueguês Imo tentou deixar o canal, colidiu com o Mont-Blanc, um navio de carga francês que levava 2.300 toneladas de ácido pícrico, 200 toneladas de TNT, 10 toneladas de trinitocelulose e 35 toneladas de benzeno – uma mistura altamente explosiva.

A colisão ocorreu às 8h44, quando ambos os navios fizeram uma série de manobras ruins. As faíscas geradas pelas enormes quantidades de explosivos acenderam a bordo do Mont-Blanc e começaram um incêndio. A tripulação de 40 de Mont-Blanc, incapaz de combater o incêndio, abandonou o navio.

Centenas se reuniram nas praias para testemunhar o navio enorme flamejante na costa, que por fim acendeu as munições no cais. Dentro de 20 minutos da colisão inicial, o Mont-Blanc explodiu com 3 mil toneladas de força (1/5 da bomba atômica lançada sobre Hiroshima), e a explosão criou uma bola de fogo que subiu cerca de dois quilômetros no ar, espalhando o metal fundido ao redor.

Um tsunami de 18 metros de altura arrastou os espectadores para dentro da água. Igrejas, casas, escolas, fábricas, docas e navios foram destruídos na faixa da explosão. As crianças que haviam parado em seu caminho para a escola, trabalhadores que revestiam as janelas das fábricas, famílias em suas casas, marinheiros em seus navios – todos morreram instantaneamente.

As ondas de choque derrubaram estruturas, espalhando fogo por toda a comunidade, prendendo aqueles que haviam sobrevivido à explosão dentro de suas casas. 326 hectares de terra foram completamente destruídos.
Edifícios foram danificados até 16 quilômetros da explosão, ouvida até 316 quilômetros de distância.
Pedaços de metal pesando bem mais de uma tonelada foram lançados cerca de 4 quilômetros do Mont-Blanc.
1.600 pessoas foram mortas na explosão inicial e tsunami, outras 9.000 ficaram feridas. 1.630 casas foram destruídas e 12.000 foram danificadas. Fatalidades finais foram registradas oficialmente como 1.950.

4 – Incêndio da Igreja da Companhia

O pior desastre de fogo da história ocorreu em Santiago, Chile, em 8 de dezembro de 1863. A Igreja da Companhia de Jesus estava celebrando a Festa da Imaculada Conceição, quando uma das lâmpadas de gás que decoravam a cena acendeu um véu de uma parede.

Um espectador entrou em ação e tentou apagar o fogo usando outro pano, mas o fogo espalhou para o telhado de madeira. As portas da igreja tinham sido fechadas e abriam para dentro. Conforme os adoradores em pânico empurraram para a saída, as portas não puderam ser abertas.

À medida que o pânico aumentou, as pessoas à frente da massa foram esmagadas e, eventualmente, uma parede de corpos se acumulou em frente da porta, tornando quase impossível alcançar a liberdade. Três horas depois que o fogo começou, o teto desabou, matando os sobreviventes. Entre 2.000 a 3.000 pessoas foram mortas, a maioria mulheres, e famílias inteiras foram dizimadas e enterradas em valas comuns. Levou 10 dias para remover todos os corpos da igreja. Os resultados deste evento tiveram tais proporções que os bombeiros chilenos são compostos por voluntários que se formaram no rescaldo da tragédia.

5 – Naufrágio Dona Paz

Quando as pessoas pensam em transatlânticos afundando, instantaneamente lembram do Titanic, no entanto, este não foi o pior desastre do tipo – na verdade, tem apenas a 5ª maior quantidade de vítimas. O desastre mais mortal da história ocorreu em 20 de dezembro de 1987. O MV Dona Paz estava a caminho de Manila, nas Filipinas, oficialmente levando seu manifesto máximo de 1.583 passageiros e 58 tripulantes.

O Dona Paz colidiu com um petroleiro de óleo, o MT Vector, que transportava 8.800 barris de gasolina.
Sobreviventes dizem que o clima na noite era claro, mas o mar estava agitado. Após a colisão, o Vector
pegou fogo e as chamas se espalharam rapidamente por todo o navio. As luzes a bordo do Dona extinguiram e como não havia coletes salva-vidas a bordo do navio (ou eles estavam trancados), os passageiros foram obrigados a pular no mar em águas infestadas de tubarões. Haviam se passado oito horas quando as autoridades foram notificadas do acidente, e levou mais oito horas para organizar uma operação de busca e salvamento. 26 sobreviventes foram resgatados das águas, incluindo dois tripulantes do Vector.

Embora manifestos oficiais mostrem que havia 1.583 passageiros a bordo, depoimentos de funcionários anônimos disseram que o navio estava carregando em torno de 3.000 a 4.000 pessoas e que passageiros estavam dormindo nos corredores. Isso é mais do que provável devido ao fato de que apenas um dos 21 corpos recuperados após o acidente estava listado no manifesto. 2.000 foram dados como desaparecidos por amigos e familiares, nenhum deles estava no manifesto.

O número oficial de mortes foi de 1.749, mas uma estimativa mais realista das mortes, e que os recordes mundiais colocam como o mais mortal desastre marítimo do século 20, registra 4.341 mortes.

6 – Bombardeio de Chongqing

Durante a Segunda Guerra Mundial, 5.000 bombardeios foram realizados pelo exército e marinha japoneses na capital chinesa de Chongqing. Ao todo, 11.500 bombas foram lançadas. Ao contrário de missões de bombardeio atuais, que se concentram em alvos táticos, o bombardeio executado em Chongqing foi visto como uma campanha de terror, tendo como alvo áreas residenciais, hospitais e escolas.

Durante um ataque especial agressivo executado em 5 de junho de 1941, milhares de moradores fugiram para abrigos antiaéreos. O ataque durou mais de 3 horas, e do grande número de pessoal espremido nos abrigos, resultaram mais de 2.500 (estimativa de 4.000) pessoas sufocadas enquanto esperavam as bombas pararem. Um museu foi montado próximo à entrada do túnel e, em memória das vítimas, uma sirene de ataque aéreo é tocada todos os anos em 5 de junho.

7 – Grande nevoeiro de 1952

Londres é afetada com a poluição desde a revolução industrial. Um dos piores eventos de poluição ocorreu em 1952. Conhecido como “O Grande Nevoeiro de 52” ou “A Grande Fumaça”, o evento durou cinco dias no início de dezembro. O frio do inverno fez com que os londrinos queimassem mais carvão, emitindo uma maior quantidade de dióxido de enxofre em comparação com o carvão utilizado hoje.

Estas emanações, combinadas com a poluição de escapamentos de carros a diesel recém-desenvolvidos, e os efeitos de ventos do noroeste que traziam ar poluído de toda a Europa, criaram um efeito com fumaça enchendo a cidade e se infiltrando em áreas interiores causando problemas com o trato respiratório humano.
O evento levou a uma lei antipoluição de 1956 e é considerado um dos piores eventos de poluição da história. 4.000 pessoas foram mortas nas semanas seguintes ao nevoeiro, com 100.000 doentes. Uma pesquisa recente coloca as mortes perto de 12.000.

8 – Desastre de Bhopal

Entre os dias 2 e 3 de dezembro de 1984, a fábrica de pesticidas Union Carbide em Bhopal, na Índia, vazou isocianato de metila (MIC). Esta tragédia foi resultado da entrada de água em um tanque contendo cerca de 42 toneladas de MIC, que criou uma reação química que elevou as temperaturas, aumentando a pressão. Por fim, o tanque ventilou o gás tóxico na passagem do vento noroeste sobre Bhopal.

A exposição inicial ao MIC causa tosse, vômitos, irritação dos olhos e uma sensação de sufocamento. Os moradores acordaram em pânico enfrentando esses sintomas e começaram a fugir. O aumento na respiração só apressou o seu destino infeliz. Os sintomas agudos incluem queimação no trato respiratório e nos olhos, falta de ar, dor de estômago e morte foi causada por asfixia e colapso circulatório.

170.000 pessoas foram tratadas por sintomas de envenenamento por MIC, e funerais e cremações em massa foram realizados no rio Narmada. Registro de organizações independentes dizem que houve 8.000 mortes nos dias imediatos após o incidente, e mais 8.000 depois (outras estimativas colocam os mortos em torno de 30.000). 100.000 a 200.000 sofreram doença permanente devido ao vazamento. Desde este dia, as águas subterrâneas do solo em áreas até 3 quilômetros de distância da fábrica contém quase 40 vezes mais pesticidas do que os padrões indianos. O solo também contém metais tóxicos como chumbo, mercúrio, arsênio, cádmio e cromo.

9 – Colpaso do anfiteatro Fidenae

Este é o mais antigo e um dos eventos mais catastróficos da lista. Ocorreu em 27 d.C., na antiga cidade de Fidenae, localizada perto de Roma, Itália. Um empresário local conhecido como Atilius construiu um anfiteatro de madeira barato para celebrar o fim da proibição de jogos de gladiadores do Imperador Tibério.

A construção foi levada às pressas a fim de cumprir prazos. O anfiteatro acomodava 50.000 e quase inevitavelmente, durante a cerimônia de abertura, desabou, matando 20.000 espectadores sedentos por sangue.
Este é de longe o pior desastre de colapsos de estádios na história e resultou no Senado romano aprovando leis de que apenas cidadãos com riqueza superior a 400.000 sestércios poderiam sediar jogos de gladiadores, e que todos os anfiteatros deveriam ser erguidos em bases sólidas. Atilius foi banido do Império.

10 – Colapso da barragem Banqiao

A barragem Banqiao foi concluída em 1952. Foi construída para controlar as inundações na Bacia do Rio Huai na província de Henan, na China. Após a construção inicial, rachaduras apareceram na barragem, e sob a orientação de engenheiros soviéticos, foram reparadas e a barragem foi considerada inquebrável.

A barragem foi construída para suportar 300 milímetros de precipitação por dia (um fenômeno que ocorre uma vez a cada 1.000 anos), no entanto, em agosto de 1975, resultante do tufão Nina, a província experimentou 1.060 milímetros de chuva em 24 horas. Nina tinha destruído grande parte da rede de comunicações na área e os pedidos para abrir a barragem não chegaram aos engenheiros. 78.800 toneladas de água por segundo explodiram de Banqiao.

O aumento de água resultou em ondas de 10 quilômetros de largura e 7 metros viajando a 50 km/h, destruindo um trecho de 55 quilômetros de comprimento por 15 quilômetros de largura, e criando lagos de até 12.000 quilômetros quadrados. Ordens de evacuação não chegaram a tempo devido a falhas de comunicação.

As estimativas oficiais da China indicam que aproximadamente 26.000 pessoas morreram em consequência da inundação inicial, com até 145.000 sucumbindo à epidemia e fome subsequentes. 11 milhões de pessoas foram afetadas pelo desastre.[Listverse]

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *