Dando asas à informação

10 inovações da banda The Beatles que mudaram a música

A famosa banda The Beatles certamente não inventou o negócio da música, mas, como outros grandes artistas (por exemplo, Beethoven), teve um efeito inegável em todo o setor que obrigou a indústria a acompanhá-los, mudando completa e permanentemente quase tudo sobre o mercado musical. Confira algumas dessas inovações:

1 – Videoclipes

Embora os primeiros artistas de jazz tenham criado curtas musicais com suas canções, e Elvis tenha filmado canções únicas que eram trechos de filmes, os Beatles foram os pioneiros em casar as duas ideias no conceito que hoje conhecemos como “videoclipe”, clipe musical, ou vídeo de música – um curta independente de um ato musical apresentando uma música atual que pode ou não ser uma performance ao vivo (e que mantém canais como a MTV vivos).

A ideia veio para os Beatles como uma forma de facilitar sua agenda ridiculamente apertada. Eles eram muito requisitados e, em vez da banda ter que fazer toneladas de aparições públicas em programas de TV ao redor do mundo, eles começaram a enviar vídeos de suas músicas em seu lugar. O primeiro vídeo musical foi do single “Paperback Writer / Rain” em 1966.

2 – Álbum conceito

Antes de 1966, as atrações musicais populares entravam em um estúdio de gravação a fim de criar uma pilha de singles, que eram lançados individualmente pela gravadora, e depois relançados poucos meses mais tarde, como parte de um álbum. Normalmente, a banda não podia escolher quais canções entrariam no álbum, qual a ordem em que seriam apresentadas, ou o que seria usado como a arte da capa – essas eram todas decisões tomadas independentemente da banda, pela gravadora.

No entanto, com a orientação inestimável de seu produtor, George Martin, os Beatles mudaram esse sistema e lançaram o primeiro “álbum conceito” da indústria, “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”. A ideia por trás do álbum era que os Beatles faziam parte de outra banda fazendo um show no parque, e todas as músicas do álbum eram parte desse show ao ar livre. Nenhuma das músicas desse álbum foi lançada separadamente como single; a primeira vez que o público ouviu qualquer parte do “Sgt. Pepper” foi quando o álbum inteiro foi lançado, em junho de 1967.

3 – Shows em estádios

Embora os Beatles fossem muito bem sucedidos em vender ingressos para seus shows no início de 1963, 1964 e 1965, eles estavam apenas agendando shows em auditórios, teatros e anfiteatros, com capacidade para entre 1.000 e 10.000 pessoas. Quando Brian Epstein inicialmente reservou o estádio Shea Stadium de Nova York (EUA), em agosto de 1965, para um show, a ideia era considerada quase absurda demais para ser considerada.

No entanto, os bilhetes se esgotaram em poucas horas (com preços entre $ 4,50 e $ 5,75, ou seja, cerca de R$ 9 a R$ 11,50), e mais de 55.000 fãs gritantes (adolescentes principalmente) lotaram o estádio para o primeiro show de rock em um estádio. Os Beatles só tocaram 30 minutos, os fãs não foram autorizados a se aproximar de onde o palco estava localizado, o e sistema de som foi atroz e rude para um concerto musical de tal magnitude, mas a noite rendeu US$ 300.000 (cerca de R$ 600 mil), o que permaneceu um recorde da indústria por muitos anos.

4 – Gravadora autossuficiente

Esse foi um exemplo do que aprendemos com os erros dos Beatles, e não seus sucessos. Em 1966, o contrato de gravação da banda com a EMI Records expirou. Em 1967, eles reassinaram um contrato de nove anos com a gravadora. No ano seguinte, os Beatles decidiram formar sua própria gravadora, a Apple Records, mas a EMI não estava disposto a liberá-los.

Em uma complicada série de manobras confusas, os Beatles continuaram na EMI, mas assinaram um acordo separado entre a subsidiária americana da EMI, Capitol Records, e a Apple. O resultado foi que lançamentos americanos continham o rótulo da Apple, enquanto lançamentos britânicos não (pelo menos de primeira).

Além dessa confusão, os Beatles legalmente contrataram dois gerentes de negócios diferentes (o americano Allen Klein e Lee Eastman, sogro de Paul) na Apple, e todos os contratos entre a Apple, a EMI e a Capitol foram revistos. Muitas ações legais seguiram essa imensa desordem, e os Beatles dolorosamente definiram o padrão para o que não fazer ao formar sua própria gravadora.

5 – Transmissão ao vivo mundial

Embora os Beatles não tenham inventado a televisão por satélite, eles foram o tema e o destaque da primeira transmissão de televisão ao vivo global por satélite, em junho de 1967. O programa de TV se chamava “Our World” (em português, “Nosso Mundo”), e contou com a contribuição de artistas e cidadãos de 19 nações diferentes. Usando quatro diferentes satélites em órbita, o programa foi capaz de ser transmitido ao vivo para todos os interessados em receber o sinal em qualquer lugar do mundo, e os Beatles apresentaram uma versão em estúdio ao vivo de “All You Need Is Love”, que foi escrita especialmente por John para essa transmissão, no fechamento do programa.

6 – Topo das paradas musicais

Embora muitos artistas e músicas diferentes se mantiveram no topo de diversas paradas musicais, nenhum artista específico já chegou perto do fenômeno mundial, quase inexplicável, dos Beatles em 1964. Em 21 de março, eles ficaram em 1º, 2º e 3º lugar na Top 100 da Billboard (em um total de sete músicas na parada naquela semana). Em 28 de março, ocuparam a 1ª, 2ª, 3ª e 4ª posição do ranking, com 10 músicas no total na semana. Em 4 de abril, eles incrivelmente ocuparam os 5 primeiros lugares no ranking com um total de 12 canções na Top 100 da Billboard. Em 11 de abril, mais duas músicas dos Beatles entraram na parada (14 no total). Durante este mesmo período de tempo, eles também estavam no topo da maior parte das listas “os 10 mais” para melhor álbum e singles no Reino Unido, Canadá e Austrália.

7 – Técnicas de estúdio

Este item poderia ser uma lista separada. The Beatles (e seus engenheiros de gravação) ou foram pioneiros ou popularizaram Rastreamento Duplo Artificial (ADT), backmasking, feedback de afinação, distorção, equalização, efeitos estéreo, multitracking, compressão, “microphoning”, etc, etc, etc. Apesar dos Beatles não serem creditados com a invenção da maioria destes truques de estúdio, eles foram responsáveis por inúmeras músicas diretamente inspiradas em artistas desesperados para copiar seus sons originais.

8 – Letras impressas na capa do álbum

O primeiro álbum pop a apresentar as letras das músicas impressas na capa do CD foi o disco conceito dos Beatles de 1967, o épico “Sgt. Pepper Lonely Hearts Club Band”. Pouco tempo depois, era considerado fora do padrão não fazer isso.

9 – Sem turnês

O típico contrato da indústria musical padrão da década de 1960 exigia que a banda gravasse e lançasse singles suficientes para uma empresa comercializar pelo menos um álbum por ano. Os Beatles estiveram acima e além desse dever o tempo todo (lançaram dois álbuns por ano em todos os anos com a EMI Records, exceto 1966). Outro aspecto do contrato de gravação padrão era que a banda fizesse um determinado número de shows públicos como um meio muito eficaz de promover e vender singles e álbuns da banda.

No entanto, em agosto de 1966, no Candlestick Park, em San Francisco (EUA), os Beatles fizeram seu último concerto público após mais de seis anos de turnês estendidas. A decisão dos Beatles (ou de qualquer banda a partir de então) de terminar a turnê foi uma decisão baseada em vários fatores, como cansaço, incapacidade de realizar novas músicas em um formato ao vivo, incapacidade de se ouvir no palco, falta de foco musical, preocupações com segurança após ameaças de morte e boicotes e tédio. Os Beatles só fariam mais uma aparição pública musical, em janeiro de 1969, na forma de um show semiparticular improvisado sobre o telhado de seu estúdio em Londres.

10 – Formato da programação de rádio

Em 1968, o rádio americano preferia ter música em AM e talk radio (programação falada) em FM. A maioria das estações AM tocava música em um formato único de três minutos. Isso significava que qualquer single significativamente mais longo ou mais curto do que três minutos era ignorado por emissoras AM, porque destruiria seu formato repetitivo.

Quando os Beatles lançaram “Hey Jude” como single em agosto de 1968, com quase 7 minutos e meio de duração, as estações AM simplesmente cortaram a música na marca de 3 minutos, o que impedia os ouvintes de curtir sua parte favorita da canção: “Na na na nanananaaa”. Na rádio FM KSAN de San Francisco, o pioneiro Tom Donahue prometeu tocar “Hey Jude” inteira, bem como apresentou outras ideias inovadoras (blocos de música livres de comerciais, tocar álbuns inteiros em uma hora, etc) como um meio para atrair os ouvintes de AM para a sua estação de FM, e, eventualmente, a ideia pegou em todo o país. Dentro de dez anos, as estações de rádio americanas tinham trocado quase completamente de programação, com música em FM (formato tal que é usado até hoje e em muitos países, como o Brasil).[Listverse]

2 comentários

  1. Comment

  2. Os Beatles mudaram para sempre a música.
    As novas gerações acham que foram apenas uma banda emo.
    Esta lista de inovações relembra uma parte que os Beatles fizeram na música !!!

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *