Dando asas à informação

10 maneiras com que os animais poderiam tomar o mundo de nós

Nós tratamos os animais tão mal, como se fossem tão inferiores a nós, que é de se admirar que não tenham se revoltado ainda. Se os outros animais decidissem que estão cansados de viver sob os pés dos seres humanos e terem seus habitats destruídos, poderiam acabar conosco? Muito provavelmente não. Afinal de contas, os humanos estão na parte superior da cadeia alimentar por uma razão. Mas temos uma fraqueza: falta de organização. Se os animais decidissem se reunir e combinar suas habilidades, teriam uma boa chance de exterminar a raça humana. Veja como:

10. Superforça

10

A verdade é que a maioria de nós é gordo, lento e fica mais fraco a cada geração. Mesmo se estivéssemos no auge da nossa força, há diversos animais que podem nos dominar. Nem precisamos pensar em leões e tigres. Veja os chimpanzés, por exemplo. Considerando que eles são nossos primos genéticos, eles têm o maior potencial para se tornar nossos futuros dominadores, e sua extrema força e destreza física dão-lhes uma vantagem considerável, já que são três a cinco vezes mais forte do que nós. Como eles não têm controle dos músculos tanto quanto os seres humanos, consequentemente os usam mais o tempo todo. A desvantagem é que eles têm as habilidades motoras menos refinadas.

Mesmo alguns dos mais minúsculos animais, como as formigas, são comparativamente mais fortes do que os humanos. As formigas podem transportar cargas 50 vezes seu próprio peso e, em um ano, movem cerca de 50 toneladas de solo por milha quadrada (1,61 km). Se fossem mais inteligentes, poderiam se unir e destruir as bases de todos os nossos edifícios apenas deslocando o solo.

9. Previsão do tempo

9

Usando sua força, garras, dentes e poder destrutivo geral, os animais poderiam facilmente acabar com a nossa infraestrutura tecnológica. Uma vez que feito isso, poderiam nos deixar para morrer em desastres naturais. Enquanto somos dependentes de dados meteorológicos e sísmicos para prever mudanças da terra, muitos animais têm um sentido extra que lhes permitem detectar quando clima ruim ou desastres como terremotos estão se aproximando.

A próxima vez que um tsunami ou furacão se aproximar, os animais poderiam simplesmente correr para as montanhas e deixar os seres humanos serem arrastados para o mar. Leve como exemplo o tsunami do Oceano Índico de 2005. Esse foi um caso raro onde os humanos não tinham ideia do que estava prestes a atacar. O que aconteceu? 150.000 pessoas morreram. Por outro lado, relativamente poucos animais foram relatados mortos, a maioria domésticos que não podiam escapar de suas casas. Aparentemente, animais de toda espécie fugiram para terrenos mais elevados antes da tragédia, porque são capazes de sentir mudanças sutis no ambiente, como mudanças nos campos eletromagnéticos e pressão do ar. Segundo especialistas, os seres humanos provavelmente tinham as mesmas capacidades no passado, mas as perderam por desuso. Preguiçosos.

8. Desorientação

8

Se por acaso os animais arrumassem uma maneira de nos atrair para o meio de uma floresta, por exemplo, estaríamos condenados. Isso porque, apesar dos nossos antepassados encontrarem seu caminho seguindo as estrelas, e nossos pais e avós usarem mapas, hoje muitos de nós é totalmente dependente de sistema de navegação como GPS. Isso significa que não sabemos nos localizar.

No meio de um lugar isolado, nós nunca encontraríamos o caminho de volta, e como perdemos todos os nossos instintos de sobrevivência, certamente pereceríamos em alguns dias ou semanas.

Por outro lado, alguns animais têm maneiras notáveis de encontrar o seu caminho de volta para casa, não importa onde você os deixar. Basta observar o pombo-correio. O pombo é, indiscutivelmente, a ave mais desprezada do planeta, mas mesmo eles podem encontrar seu caminho para casa a partir de distâncias de mais de 1.770 km. Como fazem isso? Aparentemente, ninguém sabe. Cientistas costumavam pensar que pombos tinham ferro no bico, que respondia ao campo magnético da Terra, mas estudos recentes refutam a ideia.

E os pássaros não são os únicos com desconcertantes mapas internos. Todos os tipos de animais migram e voltam ao seu ponto inicial anualmente, como as baleias, que viajavam mais de 16.000 km. Além disso, todos nós já ouvimos histórias de cães e gatos que desapareceram durante meses ou anos, e mais tarde apareceram na frente de seu dono, caudas abanando.

7. Evasão e espionagem

7

Precisamos de todos os tipos de engenhocas para escalar paredes e atravessar a água. Já alguns animais têm essas habilidades dominadas de nascença. Tome a lagartixa como exemplo. Ela pode caminhar verticalmente por vidro sem perder o rebolado.

Como elas fazem isso? Ao contrário dos animais que utilizam resíduo pegajoso ou tensão superficial, aparentemente para desafiar a gravidade, lagartixas têm almofadas em seus dedos feitos de milhares de cerdas (que lembram pelos) tão pequenas que criam uma ligação molecular entre seus pés e a superfície em que estão andando. A parte legal é que elas podem usar ou não essa adesão conforme necessário, e parecem só usá-la em certos ângulos.

Na batalha pelo domínio da Terra, a lagartixa e outros animais, como o lagarto basilisco (ou lagarto de Jesus), que pode andar sobre a água, seriam grandes agentes de contrainteligência para o lado animal, já que poderiam nos espionar e fazer saídas rápidas acima dos edifícios e de agências próximas à água.

6. Visão noturna

6

Se os animais realmente quisessem nos pegar desprevenidos, poderiam nos atacar à noite. Enquanto estaríamos tropeçando em tapetes e quinquilharias, eles poderiam navegar na escuridão com extrema precisão e libertar sua fúria a sua própria conveniência.

Basta considerar as cobras. Muitas delas, como jararacas e algumas jiboias, tem o equivalente a nossos óculos infravermelhos dentro de seus corpos. Estes órgãos, que ficam em ambos os lados de suas cabeças, detectam calor e produzem uma imagem, uma espécie de mapa, que os répteis usam para zonear suas presas.

E enquanto as cobras estão nos dando trabalho, os felinos poderiam facilmente juntar-se a elas, baseando-se nas suas células sensíveis à luz especiais, que ficam na parte de trás de suas retinas. Esta camada brilhante de células, o tapetum lucidum, reflete luz de volta para a retina, efetivamente dando aos gatos uma segunda chance de absorver cada fóton. A natureza reflexiva destas células é também a razão pela qual os olhos dos gatos parecem brilhar à noite – o que já é suficiente para assustar qualquer ser humano. Eles não podem ver na escuridão total, mas como seus olhos são supereficientes, eles só precisam de um fraco luar ou mesmo a pequena luz de um botão da TV para desencadear uma agressão.

5. Aprendizagem de segredos

5

Animais como papagaios entendem a nossa língua melhor do que pensávamos inicialmente. A julgar pelo nosso sistema de ensino cada vez pior, eles podem ser capazes de nos superar muito em breve.

Pesquisadores dizem que os papagaios já estão usando palavras não apenas para imitar a fala humana, mas para se comunicar. Um papagaio com fome avançou de dizer “quero noz” para “quero uma noz”, em seguida especificando que tipo queria. Papagaios e outros pássaros também são bastante hábeis em ensinar uns aos outros o que aprendem. Por exemplo, em partes da Austrália, pessoas ouvem vozes estranhas vindas do topo das árvores em florestas falando em inglês, que acabam sendo pássaros, e não pessoas.

Parece que aves que escaparam de suas casas (principalmente papagaios e cacatuas) começaram a ensinar a aves selvagens a língua que aprenderam enquanto viviam com humanos. Aliás, palavrões já foram ouvidos nesses bosques.

É claro que a maioria das aves ainda está apenas nos imitando, mas elas definitivamente têm mostrado uma capacidade de aprender a língua. Quem pode dizer se não vão secretamente se tornarem mestres das nossas línguas e, em seguida, nos espionar (possivelmente em parceria com as lagartixas) para frustrar nossos planos contra uma invasão animal?

4. Enganação superconvincente

4

Alguns animais não precisam nem mesmo ser intimidantes para nos enganar ou dominar. Animais como o gambá, a cobra nariz de porco, a vespa e peixes ciclídeos podem fingir suas próprias mortes, apenas para se levantar e atacar quando for a hora certa. Alguns são realmente convincentes, nos enganando mesmo quando sabemos que eles podem estar fingimdo. A cobra, por exemplo, pode deitar molemente sob suas costas e causar um mau-cheiro que escorre de seu corpo como se realmente estivesse morta. Ninguém pensa que tal coisa fedorenta ainda está viva, o que dá a cobra a oportunidade perfeita para lhe morder.

3. Envenenamento

3

Se nós fôssemos capazes de injetar outros com uma substância tóxica apenas com uma mordida ou arranhão, seria lendário; o perfeito material de histórias em quadrinhos. Enquanto isso, no mundo animal, este é um superpoder comum entre aranhas, cobras, lagartos, rãs, peixes, pássaros e até mesmo alguns mamíferos.

Tal exemplo de mamífero é o lóris (da família Lorisidae), um primata lento com glândulas braquiais no interior de seus cotovelos que secreta um líquido marrom. Ele é capaz de criar saliva tóxica que pode infligir a inimigos através uma mordida. Curiosamente, a toxina é muito semelhante a substancia alérgica encontrada em gatos domésticos, no entanto, em vez de nos fazer espirrar, pode causar anafilaxia.
Claro, todos nós sabemos que devemos nos manter longe de insetos rastejadores, mas os lóris bizarros, parecidos com ornitorrincos, poderiam atrair-nos com a sua fofura e depois destruir-nos com o seu veneno.

2. Distração

2

Se não puderem destruir-nos logo de cara, os animais podem entrar em hibernação ou dormência, para depois nos pegar de surpresa em um estado de complacência. Certos roedores, pássaros, cobras, ursos, tartarugas e répteis entram em hibernação por meses de uma só vez. Até um primata, um tipo de lêmure, hiberna. Eles comem por alguns meses, convertem o alimento em gordura e a armazenam em suas caudas. Em seguida, relaxam em uma árvore por sete meses e subsistem com o que quer que esteja embalado nas suas caudas enormes.

Um dos mais extremos hibernadores é um tipo de cigarra que só surge à tona a cada 17 anos. No resto do tempo, permanece no subterrâneo em um ciclo de vida ridiculamente longo, esperando para botar a cara para fora. Enquanto não podem prejudicar diretamente os seres humanos, elas podem causar estragos em culturas alimentares e vegetação.

1. Disfarce e ataque surpresa

1

Mesmo em nossos melhores ternos, para os animais, a maioria dos humanos se parece com grandes primatas trapalhões que eles podem ver chegando de mais de um quilômetro de distância. Em contraste, muitos animais são mestres do disfarce, o que eles poderiam usar para se ocultar ou nos caçar sem detecção.

Deixando de lado a miríade de animais marinhos que camuflam perfeitamente com seu entorno, há uma abundância de animais terrestres como corujas, mariposas, cobras, leões, insetos e outros que podem tornar-se invisíveis. Talvez a exibição mais impressionante de camuflagem seja do inseto que se parece assustadoramente como uma folha, e que poderia facilmente enganar qualquer um. Ele tem manchas marrons e áreas que se parecem com folhas furadas ou murchas para torná-lo mais autêntico, e quando anda, move-se lateralmente como um farfalhar de folhas ao vento.

Mas, de longe, a forma mais repugnante de camuflagem é a da aranha que se disfarça parecendo coco de pássaro. Criaturas que gostam de se alimentar de fezes são poucas, de modo que esta aranha permanece relativamente segura nas árvores durante todo o dia à espera de mariposas desavisadas do perigo que as espreita.

É óbvio que animais como leões e cobras podem representar uma ameaça para os seres humanos, mas um enxame de insetos inofensivos também poderia participar de nossa destruição. Imagine uma árvore cheia de folhas que de repente está viva. Tal evento assustaria qualquer ser humano e daria a outros animais mais perigosos tempo para lançar um ataque surpresa.[Listverse]

Um comentário

  1. Ops, interessante

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *