Dando asas à informação

Artista francês passa uma semana enterrado em um buraco para ler

Tem louco para tudo, não é mesmo? Como Abraham Poincheval, um francês que se enterrou por vontade própria, apenas para ter uma experiência diferente de paz e tranquilidade para uma boa leitura.

O buraco foi cavado na livraria Histoire d’un Jour de Marselha. Em 20 de setembro, Poincheval começou sua performance única, apropriadamente intitulada “604.800 segundos”. Equipado apenas com uma lanterna, um pouco de água, comida liofilizada, uma câmera e uma pequena pilha de livros, ele entrou no buraco de 62 centímetros de largura e 1,7 metros de comprimento.

O tamanho do buraco significava que ele não poderia sentar-se ou levantar-se. Ele foi coberto com uma tampa de pedra para ficar realmente só. Durante todos os 604.800 segundos, ele permaneceu enterrado sob a livraria, filmando tudo que fazia (o que, obviamente, não era muito, já que ele mal podia se mover).

As imagens foram projetadas sobre as paredes da livraria. Ele também manteve contato com a civilização através de um microfone, que o ajudou a se comunicar com os visitantes.

Quando Poincheval terminou seu experimento e foi autorizado a sair é que se deu conta do que tinha feito. “Foi muito mágico quando a pedra foi levantada e fui novamente atingido por fora, a realidade acima do solo”, disse.

Suas pernas inchadas e doloridas são uma pequena prova do quão desafiadora foi a experiência. “Foi uma viagem real, o consciente e o inconsciente se misturando, foi incrível”, conta.

Ficar em um buraco por uma semana? Difícil, mesmo. Talvez nem tanto para Poincheval, porém. Isso porque ele gosta de fazer coisas incomuns: já embarcou em uma viagem da cidade de Nantes para Metz em uma linha reta, usando uma bússola e ignorando todos os obstáculos em seu caminho, já passou 20 dias cavando um túnel através do qual ele se movia como uma toupeira na Espanha, e empurrou uma cápsula de 70 kg para cima de uma montanha na Itália.

Não me pergunte por que, que eu não sei. Provavelmente ele também não.[OddityCentral]

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *