Dando asas à informação

Mina de diamantes aberta ao público permite que você fique com o que encontrar

crater-of-diamonds-state-park_53d3c1cf6a52f_1024

O Parque Estadual Cratera de Diamantes (“Crater of Diamonds”), em Murfreesboro, Arkansas, nos EUA, é única mina de diamantes do mundo aberta ao público.

Os visitantes podem ir em uma caça ao tesouro da vida real e de fato ficar com o que acharem.

De acordo com funcionários do parque, mais de 600 diamantes de várias cores e tipos são encontrados a cada ano. Mais de 75 mil já foram descobertos desde a mina foi inaugurada em 1906 – 19 mil desde que se tornou um parque estadual em 1972.

De onde vieram

Os cientistas acreditam que esses diamantes foram formados três bilhões de anos atrás no manto da Terra, de 90 a 160 quilômetros abaixo da superfície. As pedras preciosas foram trazidas para a superfície cerca de 100 milhões de anos atrás, por uma coluna ascendente de magma.

Uma enorme erupção vulcânica resultou em uma cratera de 80 acres, repleta de fragmentos de rocha que continham diamantes. Ao longo dos anos, as rochas corroeram, deixando os diamantes e outras pedras semipreciosas soltas no solo.

A existência dos diamantes foi descoberta pela primeira vez em 1906 por um fazendeiro chamado John Huddlestone, cuja terra ficava no meio da mina. Um dia, ele encontrou duas manchas brilhantes na sujeira e, após uma inspeção, percebeu que poderiam ser diamantes.

Um caixa de banco local ofereceu a John 50 centavos pelas pedras, mas o fazendeiro não caiu nessa. Ele enviou seus achados a um especialista em pedras preciosas em Nova York, que confirmou que eram diamantes – um de três quilates, e outro de 1,5 quilate. A história se espalhou como fogo. Milhares de pessoas começaram a ir para Murfreesboro para ver a fazenda, mas John não quis mostrá-la a ninguém.

x1440640885-tan-muc-mo-kim-cuong-lo-thien-khong-ai-cai-quan-hinh-3.jpg.pagespeed.ic.zM30ruexeJ

O parque

John não estava interessado em mineração, então vendeu sua terra para investidores por US$ 36.000. Os compradores fizeram várias tentativas de mineração comercial na área, mas todas falharam. Assim, a propriedade foi finalmente rebatizada “Cratera de Diamantes” e aberta ao público em 1952, como uma mina “pague para prospectar”. O estado americano adquiriu a terra duas décadas depois, quando tornou-se um parque estadual.

Hoje, o parque é visitado por centenas de milhares de mineiros amadores por ano, que cuidadosamente cavam através da sujeira na esperança de fazer uma fortuna.

Crater-of-Diamonds-6[6]

O parque tem rendido várias grandes pedras ao longo dos anos, incluindo um diamante de 40 quilates chamado “Tio Sam”, o maior já descoberto nos Estados Unidos. Outro de 34 quilates foi descoberto lá também.

Um de 16 quilates, descoberto em 1975, foi o maior já encontrado por um visitante, quando local tornou-se público. Um punhado de visitantes ainda consegue encontrar diamantes de três a cinco quilates no valor de milhares de dólares, mas, como você pode imaginar, estas são exceções e não a regra. A maioria das pedras achadas têm aproximadamente o tamanho de uma cabeça de fósforo – pequeno demais para ser cortado em um diamante.

144004946670113975

Mesmo que as chances de encontrar um pote de diamantes no fim do arco-íris sejam pequenas, não deixe passar a oportunidade se um dia estiver em Arkansas. Quem sabe! [OddityCentral]

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *