Dando asas à informação

Os cães australianos que protegem uma colônia dos menores pinguins do mundo

Maremma-Penguin-Project

Middle Island, um afloramento pitoresco localizado na costa sul de Victoria, na Austrália, é o lar de uma colônia dos menores pinguins do mundo.

Originalmente conhecidos como pinguins-fadas, estas adoráveis aves não têm mais do que 30 centímetros de comprimento e pesam apenas cerca de 1 kg.

Maremma-Penguin-Project2

Costumava haver centenas deles na ilha, mas a sua população diminuiu conforme foram caçados por raposas. Isto até que um fazendeiro criou uma solução engenhosa para protegê-los: usar cães como guarda-costas.

O problema foi notado pela primeira vez no ano de 2000, quando a corrente natural do mar levou a um aumento de areia, incentivando um crescimento da população de raposa. A ilha é desabitada por seres humanos, e separada do continente por um trecho de 30 metros de água. Então, na maré baixa, é fácil para as raposas atravessarem o continente e chegar à ilha, caçando os amáveis pinguins.

Em breve, a população dos pequenos animais começou a diminuir até o ponto onde estavam em perigo de ser completamente dizimados. “Passamos de um ponto onde tínhamos cerca de 800 pinguins até um onde só podíamos encontrar quatro”, disse Peter Abbott, do Projeto de Preservação dos Pinguins. “Na maior matança, encontramos 360 aves mortas durante cerca de duas noites. As raposas são assassinas que matam qualquer coisa que possam encontrar. A colônia realmente estava em seus últimos suspiros”.

Ninguém tinha ideia de como salvar os pinguins, mas um criador de galinhas conhecido como “Swampy Marsh” finalmente veio com uma solução em 2006 – ele sugeriu o uso de cães e generosamente concordou em enviar um de seus próprios animais para proteger as aves. “Na Austrália, estes cães são geralmente utilizados para a proteção de galinhas, cabras ou ovelhas”, explicou Abbott.

Então, Oddball, o cão, foi despachado para a ilha, e o truque funcionou maravilhosamente. “Nós imediatamente vimos uma mudança no padrão das raposas”, disse Abbott. “Até o dia quando o cão chegou na ilha, todas as manhãs havia pegadas de raposas na praia. Depois, Oddball mudou a hierarquia. As raposas podiam ouvir os latidos, cheirar o cachorro, e assim iam para outro lugar”.

Já faz quase 10 anos que Oddball e seus sucessores foram introduzidos na ilha, e mais nenhum pinguim-fada foi morto por raposas. Sua população é agora de cerca de 200 e atualmente guardada por Eudy e Tula, sexto e sétimo cães a participar do programa.

caes pinguins

Eles passam cinco dias por semana na ilha durante a estação de reprodução, e seus dias de folga na aldeia vizinha. Mas, mesmo quando não estão por perto, seu cheiro persistente mantém as raposas longe.

“90% de seu trabalho é através de latidos. Mas chegarem em uma raposa, eles a matam”, explica Abbott.

O sucesso do projeto foi a inspiração para um filme de muito sucesso na Austrália, “Oddball”. Agora, está previsto para ser lançado em todo o mundo. “É uma boa história”, disse Abbott. “Tentar salvar um belo pinguim com um par de belos cães. Mas o filme levou as coisas a um nível diferente”.

Por exemplo, muitos turistas estão agora visitando Middle Island, gerando uma boa renda para os locais. Muitos dos moradores da região realmente aparecem no filme, bem como Eudy e Tula, que foram usados como dublês. Já Abbott foi interpretado por um ator americano. “Eu digo às pessoas que é porque eles não conseguiram encontrar um ator australiano tão bonito como eu”, brinca. [OddityCentral]

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *