Dando asas à informação

[Série] 10 origens de personagens de desenhados animados famosos

Personagens de desenhos animados: eles nos encantam, nos fascinam, alegram nossa infância, mais tarde despertam boas lembranças… E, apesar de muitos serem mundialmente conhecidos, suas histórias, inspirações e origens não são tanto.

Com o Dia das Crianças chegando, vamos publicar uma série contando a história de 10 personagens de desenhado animado famosos, com dois personagens por vez. As informações sobre suas histórias foram reunidas pelo site Listverse durante um período de seis meses, através de pesquisas, vídeos, entrevistas, livros e outras fontes.

Para ver a primeira parte da série, clique aqui.
Para ver a segunda parte da série, clique aqui.
Para ver a terceira parte da série, clique aqui.

7 – Corrida Maluca

Produção: 14 de setembro, 1968 – 4 de janeiro de 1969
Inspiração: A Corrida do Século (filme de 1965)

A Corrida do Século é um filme americano de comédia pastelão, protagonizado por Jack Lemmon, Tony Curtis e Natalie Wood. Foi dirigido por Blake Edwards, que na época já tinha alguns sucessos na carreira, como Pantera Cor de Rosa (1963). A história fala de uma corrida de Nova York a Paris e apresenta as loucuras de Professor Fate (Jack Lemmon) e seu companheiro Max (Peter Falk) em seu carro personalizado, conforme eles tentam ultrapassar o Grande Leslie (Tony Curtis) usando todos os meios necessários.

Depois de Os Flintstones, os produtores Hanna e Barbera voltaram para a prancheta de desenho para encontrar uma nova inspiração. Eles fizeram adaptações bem sucedidas de desenhos e filmes, como os heróis d’O Quarteto Fantástico (1967), e por fim chegaram n’A Corrida do Século.

Muitos projetos conceituais haviam sido feitos para um possível desenho de “Corrida Maluca”, e em 1968 esses planos estavam quase completos. Os personagens principais permaneceram inalterados a partir do filme: o vilão Dick Vigarista e seu ajudante Muttley eram cópias exatas de Fate e Max, com Vigarista vestindo um casaco longo azul, chapéu e óculos, com bigode, e dirigindo um quase idêntico carro preto agora chamado de Caro 00 ou Máquina do Mal (no Brasil; no original, The Mean Machine 00, que significa a mesma coisa).

Muttley também foi feito com o mesmo chapéu e óculos de proteção que Peter Falk no original. Vigarista manteve muitas das frases de efeito de Lemmon como Professor Fate, incluindo seu grito habitual de desespero “Muttley, faça alguma coisa!”.

Peter Perfeito assumiu o papel de Curtis no carro The Turbo Terrific, chamado no Brasil de Carrão Aerodinâmico, e Penélope Charmosa (no original Penelope Pitstop) substituiu Natalie Wood no carro rosa Carrinho para Frente (Pussycat Compact, no original), além de outros personagens.
Daws Butler e Don Messick foram trazidos para fazer as vozes masculinas, com Paul Winchell como Covarde e Janet Waldo como Penélope.

O programa foi ao ar em setembro de 1968, uma temporada de 17 shows. Em 1969, Penélope teve sua própria série de desenhos animados, assim como Vigarista e Muttley. Ambas tiveram duas temporadas.
Outros desenhos baseados na Corrida Maluca continuaram aparecendo, como em 1976, que surgiu Mumbly, com base idêntica ao Muttley de Corrida Maluca e ainda dublado por Don Messick.

8 – Scooby-Doo

Produção: 13 de setembro de 1969 – presente
Inspiração: A Turma do Archie (série de TV de 1968-1969)

Em 1967, muitas organizações começaram a protestar contra o que eles viam como uma tendência crescente de violência nos desenhos animados das manhãs de sábado. Os do estúdio Hanna-Barbera eram considerados os principais infratores, e os animadores sofreram grande pressão para substituí-los.

Como resultado, Fred Silvermann, o homem encarregado da programação infantil na CBS, viu a necessidade de revitalizar desenhos animados e comissionou The Archie Show (no Brasil, A Turma do Archie), seriado baseado em uma história de quadrinhos adolescente que falava sobre uma banda pop (e seu mascote Hot Dog) e suas tentativas de obter reconhecimento. O seriado foi um sucesso e gerou muitos hits, mais tarde levando a outros sucessos, como Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira (1971-1974).

Fred Silverman foi a William Hanna e Joseph Barbera com a ideia de criar uma série de mistério com cinco crianças loucas em um grupo de rock adolescente e seus esforços para resolver mistérios e crimes “bobos”.

O trabalho de concepção da série foi entregue aos escritores Joe Ruby e Ken Spears e o artista Iwao Takamoto, mas os designs iniciais foram rejeitados por Silverman, que sentiu que a trama estava se tornando “muito assustadora”. Ele temia uma reação dos grupos que já estavam reclamando da violência na TV.

Para tornar o conceito menos assustador, Joe Barbera veio com a ideia de incluir um cão como personagem principal, da mesma maneira que Muttley tinha sido utilizado em Corrida Maluca. O segundo conceito de design teve o nome de Mysteries Five (algo como “Os Cinco do Mistério”), e contava com os personagens Geoff, Mike, Kelly, Linda, o irmão de Linda apelidado “WW”e seu cão, um dogue alemão chamado “Too Much” (“Demais”), todos membros de uma banda de rock chamada Mysteries Five.

Ainda assim, o projeto foi rejeitado por Silverman, que influenciou ainda mais no controle sobre a terceira versão do conceito. Agora chamada de Who’s S-S-Scared (“Quem está c-c-com medo?”), e sem muito do elemento banda de rock, Geoff e Mike foram fundidos em um personagem chamado Ronnie, que mais tarde foi renomeado para Fred Jones a pedido de Silverman, que seria o “galã” do show. Kelly foi renomeada para
Dafne Blake, a namorada atraente de Fred. Linda foi chamada de Velma Dinkley, o cérebro do grupo que iria juntar as pistas para resolver os mistérios. “WW” foi renomeado Norville “Salsicha” Rogers e já não era irmão de Velma, mas um personagem mais “hippie”, para se encaixar nos sentimentos livres do final dos anos 1960.

Em 1969, o conceito do show chegou a revisão nº 4, momento de implementar as personalidades e os atributos dos personagens. A inspiração para tanto veio de um programa da CBS chamado Os Muitos Amores de Dobie Gillis (1959-1963): Fred foi baseado em Dobie, Velma em Zelda, Dafne em Thalia, e Salsicha em Maynard.
Salsicha e até então Too Much foram desenvolvidos como tipos covardes, com a mesma capacidade de “comer qualquer coisa, a qualquer hora” compartilhada por Muttley em Corrida Maluca. Don Messick foi convidado a expressar o cão Too Much.

No fim da produção, depois de ouvir “Strangers In The Night” (1966) de Frank Sinatra, Fred Silverman adorou o “doo-be-doo-be-doo” no final da canção, e mudou o nome do cão para “Scooby-Doo”, e o título do show para “Scooby-Doo, Where Are You!” (Scooby-Doo, Onde Está Você?).

O produto final foi exibido pela primeira vez em 13 de setembro de 1969 e durou duas temporadas na CBS, até mudar de canal para mais nove temporadas na ABC, voltando ao ar em 1980 e nos anos 2000. Alguns dizem que é a mais longa série de desenho animado da história da televisão (embora Os Simpsons seja considerada a série mais antiga da TV ainda no ar). Também já virou filme.[Listverse]

Pra ver a última parte da série, clique aqui.

Comente

Your email address will not be published. Required fields are marked *